"Mulher da água" 2024, pesquisadora, orientadora, professora, gestora, muitos papéis ao longo da carreira acadêmica.

Assim recebe a honraria diretamente do Presidente da República a Profa. Dra. Titular Victoria Isaac, em homenagem e reconhecimento ao excelente papel de liderança no contexto da pesca na região amazônica. Criadora do Neap, a comunidade sente-se prestigiada e representada em seu nome.

O ícone abaixo para acessar a síntese de sua trajetória acadêmica: 

Link

BOAS-VINDAS

O NEAP recebe com alegria a chegada de mais uma integrante que irá compor nosso quadro de profissionais. Flávia Souza, assume no dia de hoje o cargo de secretária do Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aquática e Pesca.

Sinta-se abraçada e seja muito bem-vinda.

ECOLOGIA DE ÁGUAS CONTINENTAIS

Nesta segunda feira (18/03) começam as aulas da primeira disciplina do ano no Programa de Pós Graduação Ecologia Aquática e Pesca: Ecologia de Águas Continentais.

Nela, os discentes entenderão um pouco mais sobre os aspectos:

-  Climáticos, geológicos e hidrológicos da bacia Amazônica; 

- Biológicos, como a ecologia trófica e reprodutiva de organismos aquáticos e as teorias ecológicas que explicam os padrões de ocorrência e distribuição desses organismos;

- E recursos pesqueiros, estudando a pesca e as ferramentas de manejo utilizadas na Amazônia. 

Para isso, além das aulas com os professores do curso, foram convidados três palestrantes que contemplam cada uma dessas grandes áreas. 

Nesta segunda (18/03), iniciaremos com a doutora Luana Basso, que atua na área de ciclos biogeoquímicos (carbono e metano) e modelagem atmosférica. Tem experiência com emissões de gases de efeito estufa na Amazônia e atualmente é pós-doutoranda no Instituto Max Planck de Biogeoquímica, na Alemanha, estimando emissões de metano no Ártico com modelo atmosférico de inversão.

No dia 22/03, estaremos com o doutor Juan Carlos Alonso, Biólogo, Doutor em Biologia de Água Doce e Pesca Interior, INPA-UFAM. Atualmente pós-doutorando no Projeto Resiliência em Sistemas Socioambientais Ribeirinhos na Amazônia, Universidade Federal do Amazonas-UFAM.

No dia 27/03,  receberemos a presença do doutor Ronaldo Borges Barthem Biólogo marinho, doutor em Ecologia, é atualmente Pesquisador Titular do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG).

Gostaríamos de agradecer aos pesquisadores pelo aceite, e convidar nossos novos alunos a participarem. 

Sejam bem vindos!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ACOLHIMENTO DAS/DOS NOVAS/OS DISCENTES PPGEAP

O corpo docente PPGEAP se alegra em receber as/os discentes da pós-graduação em Ecologia Aquática e Pesca, conjuntamente desejamos que esse novo ciclo seja repleto de boas energias, muito aprendizado e grandes conquistas. Prossigamos nessa nova etapa com a esperança de que discentes e docentes possam aprender, ensinar, inquietar-vos, produzir e igualmente resistir aos obstáculos.


Emoção na despedida da Profa. Voyner

Em um momento único, a comunidade Neap deseja uma boa viagem à querida Profa. Voyner Cañete, que ficará afastada para realização de estágio pós-doutoral na França. 

Estudante de iniciação científica premiado

O estudante de Ciências Biológicas, Paulo José Lima, recebeu o 2º lugar nacional no concurso de fotografia científica na categoria de micro e macrofotografia durante o XXXV Congresso Brasileiro de Zoologia (CBZoo) ocorrido en Porto de Galinhas - PE, em fevereiro de 2024. A foto intitulada: ‘’Nagurus cristatus em lupa’’, mostra uma das espécies de isópodes (crustáceos) terrestres, objeto de estudo de sua iniciação científica com orientação do Prof. Dr. Flávio Almeida Alves-Junior, do NEAP. O objetivo do projeto é rever a taxonomia e a distribuição geográfica de crustáceos isópodes na região de Belém-PA.

Protagonismo da Profa. Victoria Isaac reconhecido em premiação “Mulheres das águas” 2024

A cerimônia de entrega da menção honrosa está marcada para 19 de março, em Brasília/DF. 

Clique no ícone abaixo para maiores informações:

Link

E no ícone abaixo para acessar a síntese de sua trajetória acadêmica:

Link

Novo estudo investiga efeitos da variação climática na pesca do Pargo no litoral Amazônico

O estudo buscou entender como a variação climática afeta a pesca do peixe pargo no litoral amazônico. Para isso, dados de sensoriamento remoto e registros de captura entre 1997 e 2007 foram analisados por meio de modelagem estatística para identificar influências parciais de variáveis oceanográficas, hidrológicas e índices climáticos. Os resultados indicaram uma forte ligação entre a captura por unidade de esforço e as variáveis em uma escala interanual, sugerindo que a pesca do pargo é principalmente influenciada pelos efeitos sazonais das variáveis oceanográficas. Além disso, observou-se que os índices climáticos do Atlântico responderam positivamente às correlações, indicando que o uso desses índices pode ser um bom indicador para prever as capturas de pargo no litoral amazônico, podendo ajudar a reconstruir séries históricas de captura, especialmente onde os dados são escassos ou indisponíveis.

Confira no link abaixo.

Link

Como anda a atividade pesqueira da pescada- amarela na Amazônia? 

A discente Hanna Moura orientada pela professora Bianca Bentes pesquisou sobre o funcionamento da atividade pesqueira que captura a pescada-amarela na Amazônia levando em consideração Indicadores de desempenho pesqueiro, ecológicos, econômicos e sociais. Com os resultados do trabalho é possível dar suporte ao desenvolvimento de medidas de gestão adequadas, visando a sustentabilidade do ecossistema, as condições econômicas e a qualidade de vida das comunidades pesqueiras.

Confira no link abaixo.

Link

Um legado ao NEAP

Em 10 de novembro de 2023, o Professor Doutor Miguel Petrere Junior, Titular-Livre NEAP|UFPA, aposenta-se da Universidade Federal do Pará, sendo o primeiro docente a compor o quadro de servidor aposentado da unidade. Em nome de toda a equipe que integra o Núcleo de Ecologia Aquática e Pesca da Amazônia | UFPA registramos nossa imensa honra e privilégio em contar com a presença do Professor Miguel nos anos iniciais do NEAP (2019-2023). Conviver com um pesquisador da envergadura do Professor Miguel Petrere Jr é algo ditoso. Receber seus exemplos de humildade e comprometimento na formação de novos pesquisadores faz dessa experiência uma dádiva. Em muito nos engrandece o seu convívio e com ele aprendemos e nos orgulhamos, ao passo que nos sentimos afortunadas/os, por tê-lo presente nesses últimos cinco anos. Um pesquisador ímpar (https://www.ufpa.br/index.php/ultimas-noticias2/12139-professor-da-ufpa-integra-lista-de-cientistas-mais-reconhecidos-no-mundo), com constante dedicação à docência, pesquisa e orientação de pós-graduação, é um exemplo de profissionalismo e marca a história do NEAP elevando a missão do Núcleo em manter a excelência por ele trilhada.  

Uma nova recruta entra na comunidade NEAP

A Profa. Dra. Luiza Prestes  (centro da imagem), amazônida e egressa do PPGEAP, toma posse como a primeira professora com ascendência indígena no NEAP. Desde que foi criado em 23 de janeiro de 2019, o Núcleo tem priorizado alavancar suas linhas de atuação, e a Professora Luiza irá somar àquela que desenvolve ensino, pesquisa e extensão na área da pesca.

Sites Parceiros

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico é uma fundação pública e um dos maiores responsáveis pelo apoio à pesquisa e à ciência no Brasil. 

Tem como objetivo geral capacitar recursos humanos capazes de compreender de forma integrada a complexa dinâmica dos ecossistemas aquáticos da Amazônia, visando o uso racional dos seus recursos e sua conservação. 

Representa a experiência do CNPq na integração de bases de dados de currículos e de instituições da área de ciência e tecnologia em um único Sistema de Informações.

É uma fundação vinculada ao Ministério da Educação do Brasil que atua na expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu em todos os estados brasileiros. 

No Instituto de Ciências Biológicas – ICB – estuda-se a vida, suas origens, desenvolvimento e manifestações: a vida vegetal, animal e a vida humana. 

Voltado cenários amazônicos particularmente envolvidos à questões socioambientais e uso de recursos naturais por populações amazônicas. 

COMO CHEGAR AO NEAP?

Confira o vídeo e veja as rotas para você chegar ao Núcleo de Ecologia Aquática e Pesca da Amazônia.

Grupos de Pesquisa

GEA - Grupo de Ecologia Aquática

Responsável:

Tommaso Giarrizzo  

Projetos de Extensão

COORDENADORA: Jussara Moretto Martinelli Lemos

CICLO DE PALESTRAS

O Ciclo de Palestras do Neap é um evento de cunho científico, e tem como objetivo principal a apresentação e discussão de temas relevantes e atuais envolvendo o conhecimento de Ecologia Aquática e Pesca, além de promover o encontro de estudantes e professores. Teve sua primeira edição em 2019, presencialmente e teve continuidade em 2021 de forma remota. O evento é realizado pela equipe de comunicação do NEAP sob a coordenação das Professoras Bianca Bentes e Tatiane Medeiros e conta também com o apoio do Projeto Meros do Brasil. Todas as palestras possuem tradução simultâneas em libras e podem ser acessadas no nosso canal do YouTube ‘NEAP OFICIAL’.

Situação: Em andamento; Natureza: Extensão. 

GRUPO DE TRABALHO EM CULTURA OCEÂNICA (UFPA NO MAR)

Idealizar, organizar e realizar ações que promovam a cultura oceânica na Região Norte conciliando a divulgação das ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas na UFPA na temática oceano nas mais diversas áreas do conhecimento, utilizando linguagem menos técnica e mais contextualizada, de forma a ser mais facilmente compreendida pela sociedade, especialmente para o público externo à universidade. De forma geral, também objetiva-se incluir os resultados desse programa de duração aproximada de dez anos, nas iniciativas brasileiras com respeito à Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (https://oceandecade. a ser implementada de 2021 a 2030, buscando cumprir os compromissos da Agenda 2030, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2015 https://brasil.un.org dando visibilidade às ações desenvolvidas na UFPA nessa temática. Portaria 2400/2021 UFPA.

Situação: Em andamento; Natureza: Extensão. 

VIDA DE CAMARÃO

O Ciclo de Palestras do Neap é um evento de cunho científico, e tem como objetivo principal a apresentação e discussão de temas relevantes e atuais envolvendo o conhecimento de Ecologia Aquática e Pesca, além de promover o encontro de estudantes e professores. Teve sua primeira edição em 2019, presencialmente e teve continuidade em 2021 de forma remota. O evento é realizado pela equipe de comunicação do NEAP sob a coordenação das Professoras Bianca Bentes e Tatiane Medeiros e conta também com o apoio do Projeto Meros do Brasil. Todas as palestras possuem tradução simultâneas em libras e podem ser acessadas no nosso canal do YouTube ‘NEAP OFICIAL’.

COORDENADORA: Bianca Bentes da Silva

O Ciclo de Palestras do Neap é um evento de cunho científico, e tem como objetivo principal a apresentação e discussão de temas relevantes e atuais envolvendo o conhecimento de Ecologia Aquática e Pesca, além de promover o encontro de estudantes e professores. Teve sua primeira edição em 2019, presencialmente e teve continuidade em 2021 de forma remota. O evento é realizado pela equipe de comunicação do NEAP sob a coordenação das Professoras Bianca Bentes e Tatiane Medeiros e conta também com o apoio do Projeto Meros do Brasil. Todas as palestras possuem tradução simultâneas em libras e podem ser acessadas no nosso canal do YouTube ‘NEAP OFICIAL’.

COORDENADORA: Voyner Ravena Cañete

Farmácia de quintal: saberes e usos de plantas medicinais em territórios quilombolas - Baixo Itacuruçá (PA) 

Esta proposta objetiva elaborar um jogo de corrida de tabuleiro sobre os conhecimentos e os usos de plantas medicinais na Comunidade Quilombola do Baixo Itacuruçá (PA), visando identificar e valorizar os saberes e os fazeres construídos secularmente pelos moradores do território a partir de um inventário preliminar realizado por alunos e professores da escola da comunidade. Para tanto, os extensionistas, alunos, professores e moradores irão catalogar as espécies de plantas medicinais para produzir o jogo que será disponibilizado na versão de aplicativo de celular e na versão física. Convém salientar que esta proposta está vinculada ao Grupo de Estudos em Ecologia Humana, Natureza e Populações Amazônicas (EHNAPAM), o qual têm trabalho há mais de 20 anos com extensão universitária e, para essa ação extensionista em específico, contará com o apoio de docentes e discentes de graduação das Faculdades de Ciências Sociais e Ciências Biológicas, dos Programas de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) e em Ecologia Aquática e Pesca (PPGAP), do Núcleo de Ecologia Aquática e Pesca (NEAP). Além de contar com a participação da escola municipal da comunidade e de técnicos do Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) da UFPA para o desenvolvimento do aplicativo. Dessa forma, há articulações e integrações consolidadas entre subunidades e unidades da UFPA, bem como com órgãos/entidades externas (Prefeitura de Abaetetuba e Associação de Remanescentes de Quilombo das Ilhas de Abaetetuba - ARQUIA). Por fim, salienta-se que todas as atividades poderão sofrer alterações em face da pandemia da COVID-19, a fim de respeitar os protocolos indicados pelos órgãos de saúde.

Situação: Em andamento;

Natureza: Extensão. 

Novas TICs e os cenários socioambientais: veiculando notícias, fortalecendo consciência ambiental entre crianças e adolescente moradores da Comunidade Quilombola do Baixo Itacuruçá 

Esta proposta objetiva produzir conteúdos digitais de vídeo com celular (produções de no máximo 2 min.) e também podcasts a respeito de práticas tradicionais de manejo ambiental na Comunidade Quilombola Baixo Itacuruçá. Desse modo, almeja-se ampliar o debate de aspectos conceituais, metodológicos e pedagógicos de metodologias extensionistas em relação à valorização da identidade da população tradicional quilombola. Para tal fim, a prática extensionista promoverá o conhecimento da realidade local através do debate sobre cultura, subsidiado pelo trabalho de campo que buscará acompanhar e capturar as percepções, subjetividades, experiências e memórias dos comunitários a respeito de práticas tradicionais no trato com o meio ambiente. Os materiais audiovisuais e os podcasts gerados por esta ação extensionista terão livre circulação e serão divulgados e valorizados na ambiência virtual do site do Grupo de Estudos em Ecologia Humana, Natureza e Populações Amazônicas (EHNAPAM). Espera-se, assim, mostrar por meio do mundo virtual as diferentes realidades, conhecimentos e práticas culturais quilombolas, buscando contribuir para a valorização e fortalecimento do ethos local do território do baixo Itacuruçá e comunidades vizinhas. As atividades preliminares do projeto englobam um inventário a ser realizado pelos extensionistas, alunos, professores e comunitários que selecionarão histórias de vida ou experiências de formas de cultivar ou extrair tradicionalmente recursos naturais no território.

Situação: Em andamento;

Natureza: Extensão. 

Cooperação Internacional

The University of British Columbia

The University of New Mexico

University of Idaho

AGENDA

A nossa página de agendamento obtém a iniciativa de intermediar o controle de solicitações de utilização das salas de aula, laboratórios e equipamentos para seus docentes, discentes e colaboradores. 

Para que você possa agendar uma sala ou equipamentos do NEAP, é preciso enviar um e-mail para secretaria_neap@ufpa.br solicitando o envio e liberação dos agendamentos atuais.

SOBRE O NEAP

O Núcleo de Ecologia Aquática e Pesca da Amazônia (NEAP), tem como objetivo realizar pesquisas, ensino e extensão, com foco em assuntos sobre ecologia e uso sustentável dos recursos pesqueiros,  incluindo tanto os aspectos  ambientais, econômicos, políticos e sociais, que afetam integridade dos recursos utilizados pelo homem, através da pesca e da aquicultura. O NEAP da UFPA terá como parte fundamental da sua estrutura o Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aquática e Pesca.

O NEAP deve buscar a formação de profissionais que possuam noções integradas da dinâmica dos recursos naturais e ecossistemas aquáticos da Amazônia, em particular, dos seus recursos pesqueiros, bem como as interfaces entre as disciplinas biofísicas e sociais para garantir uma melhor administração e uso sustentável dos ecossistemas amazônicos e de suas espécies, em harmonia com os sistemas sociais e com as dimensões políticas da região.